segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

2017

Oi gente!

Como passaram as festas?

Tudo bem?

Por aqui tudo bem.

Natal com a minha família.

Fim de ano com a família do marido.

E entre toda comilança, 1 kg a mais na balança, bora correr atrás do prejuízo e mandar embora mais 10 kg no primeiro semestre.

Olha, lá: já começamos o ano com as promessas de emagrecimento, mas gente, eu comecei e agora vou até o fim.

Menos 30 kg na minha vida.

Não é por questão de beleza! (mas também tô feliz de caber nas roupas que não me serviam mais) Mas principalmente saúde.


"Mas enquanto estou viva
Cheia de graça
Talvez ainda faça
                    Um monte de gente feliz!" Rita Lee


Depois dos 40 parece que as coisas ficam meio... devagar.

O corpo muda. Metabolismo de lesma!

A visão apaga. E como! Sabe aquelas velhinhas ceguetas que precisam por o livro e o celular lá trás pra enxergar? hahahahahahaha SOU EU!!!!

E vai ter um momento que vou ter que engatar na pista: seja pra fazer uma hidro, dançar funk ou correr na maratona. Vai ter que rolar. Coração, baby!

Devaneios a parte por conta da vida de quarentona, esse post é pra desejar Feliz Ano Novo.

Para você que me acompanha sempre. Para você que me lê, vez em quando. Para você que foge quando vê minhas publicações. Feliz Ano Novo!

E antes de virar o ano fiquei pensando como desejar um ano novo de verdade, e aí vem o guru indiano Sri Sri Ravi Shankar, falar da alegria que devemos transmutar. Emanar para ver acontecer.

Mas vamos falar sério: quem consegue vibrar alegria o tempo todo?

Então, eu vou ser mais humana, menos transcendental.


Meu Feliz Ano Novo vai com a música do Frejat, Amor pra Recomeçar, afinal é isso que fazemos no ano novo: Recomeçamos!



Eu te desejo não parar tão cedo 
Pois toda idade tem prazer e medo 
E com os que erram feio e bastante 
Que você consiga ser tolerante 
Quando você ficar triste 
Que seja por um dia, e não o ano inteiro 
E que você descubra que rir é bom, 
mas que rir de tudo é desespero 

Desejo que você tenha quem amar 
E quando estiver bem cansado 
Ainda, exista amor pra recomeçar 
Pra recomeçar 

Eu te desejo, muitos amigos 
Mas que em um você possa confiar 
E que tenha até inimigos 
Pra você não deixar de duvidar 
Quando você ficar triste 
Que seja por um dia, e não o ano inteiro 
E que você descubra que rir é bom, 
mas que rir de tudo é desespero 

Desejo que você tenha quem amar 
E quando estiver bem cansado 
Ainda, exista amor pra recomeçar 
Pra recomeçar 

Eu desejo que você ganhe dinheiro 
Pois é preciso viver também 
E que você diga a ele, pelo menos uma vez, 
Quem é mesmo o dono de quem.


Desejo que você tenha a quem amar 
E quando estiver bem cansado 
Ainda, exista amor pra recomeçar 
Eu desejo que você tenha quem amar 
E quando estiver bem cansado 
Ainda, exista amor pra recomeçar.
Pra recomeçar.


Então, amados: bom recomeço!

Beijos cheios de esperança da mãe de cinco.

See you again!







quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A perereca da Vovó Marcia

Oi gente!

Boa tarde!

Como estão na correria de Natal?

Por aqui, só as crianças empolgadas com a data.

Eu, só pensando no aspecto espiritual. Mas isto é papo pra outro post.

Depois de um post de lembranças e saudades, resolvi contar um "causo".

Há algum tempo atrás, minha mãe via televisão na sala de madrugada.

De repente, "ploft"!!!!!

Ela escuta um barulho no braço do sofá.

Vê uma manchinha e vai investigar.

Eis que tratava-se de uma perereca! Que de um salto, sumiu.

Minha mãe, em plena madrugada, empurrando todos os móveis da sala, tirando os quadros da parede, vasculhando os quatro cantos e a cadê a perereca?

De manhã, ela veio contar para todos nós o acontecimento da madrugada.

Falei pra ela: "Isso foi sonho, ou ilusão de otica! Perereca na sala, na selva de pedra? Tá bom!"

E convenhamos, se fosse no meio do mato, eu e a torcida do flamengo, acreditaríamos.

E de tempos em tempos, lá vinha a perereca, bater um papo com a minha mãe na madrugada.

Só minha mãe a via e depois contava do surgimento da "amiguinha".

Todo mundo tirava a maior onda da minha mãe.

Cadê sua perereca invisível?

E ela ficava louca da vida, por que não era louca. A perereca da madrugada existia e ponto final.

Até, que um dia desses, a Ana minha irmã, foi tomar banho e sai do banheiro esbaforida: "Olha quem está na janela do banheiro!!!!!"

E eis que surge toda melindrosa em meio a nevoa a perereca da Vovó!

kkkkkkkkkkkkkkkk

E a Vovó não estava presente para constatar a presença da companheira da madrugada.

Todo mundo foi conhecer a perereca.

Até que ela era bem simpática, para uma perereca. Cinza, pequenininha, como o papinho que toda perereca têm...

O Felipe ficou com medo e não queria mais entrar no banheiro e para que isso acontecesse eu tinha que fechar a janela.

Eu, vasculhava o banheiro inteiro, por que também tenho pavor das bichinhas saltitantes. (abafa)

Enfim, minha mãe ficou jogando na cara de todo mundo "Eu disse, não sou louca!" e a perereca deixou de ser um mito.

Mas depois da aparição, ela sumiu.

E nunca mais voltou.

Até hoje fico me perguntando, da onde ela surgiu.

Agora, ficou imortalizada como a perereca da Vovó.

Vai ver que ela arrumou um companheiro, e eles vivem na caixa d'água, nadando e coaxando (perereca também coaxa?)... (Eca) E daqui um tempinho venham apresentar os filhotinhos todos proza... (eca, eca - mais que lindo!)



E assim, termina o nosso "causo".

E quem souber que conte outro.

Beijinhos e até a próxima.

Dani







segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Saudade de você... de vocês...

Oi gente!

Tudo bem?

Como passaram o fim de semana?

Aqui trabalhando muito e embaixo de chuva, toró que Deus mandou pra limpar toda impureza, e tudo que é ruim.

Só que a coisa chata da chuva, é se molhar.

Mas quem sai na chuva é para se molhar; já dizia o ditado, então...

Hoje eu estou com saudade e estou escrevendo por causa dela.

Na realidade, todo ano, quando chega perto do Natal, fico tão saudosa, tão emotiva e com o coração tão cheio de amor, que as vezes me sinto sem ar.

Hoje, quando acordei, mesmo com um sonho conturbado, sabia que tinha sonhado com você.

E fiquei me acalentando para ver se a saudade diminuía.

Fazem quinze anos, exatamente hoje, que você foi morar com Jesus e  Maria.

E fazem quinze anos que me sinto meio órfã, meio abandonada.

Não liga não, pelas minhas lágrimas. É só muita saudade e com tudo que tem acontecido, tenho sentido muito a sua falta.

Porque você era meu porto seguro também.

E porque tem tanta coisa que me lembra você.

O gostinho de um arroz com louro, o tempero de um feijão, o bife acebolado, no qual eu dispensava a cebola.

Doce de banana.

Flores amarelas.

Torta de maçã.

O tricô.

O quile.

Falar bobeira.

Você sabia que vi um documentário da Romy Schneider, e pensei: será que minha vô sabia que ela era tão moderna assim, para aqueles tempos? RsRsRs

Ainda sou apaixonada pela trilogia da "Sissi". E tenho que assistir com a Vi.

Pela Noviça Rebelde, também!. Toda vez que passa uma reprise, lá estou eu chorando e cantarolando Sound of Music com a a Julie Andrews, rodopiando pela paisagem montanhosa da Áustria.

Penso, cada dia mais, que as crianças iriam te amar de paixão. Por isso, sempre falo de você e do vô, para saberem o quanto vocês eram maravilhosos.

Sempre conto as minhas travessuras na casa de vocês e na rua.

Falo das nossas conversas, das nossas risadas e do vô nervoso, quando eu fazia alguma coisa errada.

Mas ele nunca ficava bravo comigo muito tempo e se divertia com as minhas histórias, quando eu era mais velha...

A nossa família está enorme, aliás, você tem tantos bisnetos, que não sei como ficaria a questão dos seus peitos. E todos eles iriam te amar também.

Você sabe, que temos nos visto bastante. E sabe o porque. Mas acho que além do que atravessamos, unidos,  acho que era isso que você e o vô sempre quiseram.

Esse ano vou passar o dia 25 lá na chácara da tia Silvya, e acho que todos, ou pelo menos quase todos nós, estaremos juntos. E claro que vocês também estarão lá: no coração de cada um de nós.

 Só que de vez em quando, esse buraco no meu peito insiste em dar uma sangradinha.

Então, quando acordei, falei pro Carlinhos, será que faço uma intenção na missa? No cemitério não quero ir, você não está lá.

Só quero te mandar mil beijos, aí no céu.

Quero que você saiba que eu continuo te amando Vó Netty!

Que apesar da distância te sinto perto de mim.

E que um dia eu volto a te encontrar.

Obs: manda um beijo pro Vô e diz que eu também o amo ao infinito e além.


Sua neta,

Daniela










quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Tempo

Boa tarde, à todos os meus amigos leitores!

Saudade absurda de vocês e de postar!  Quantas idéias de publicações já inundaram a minha mente neste tempo que ando sumida.

Falta tempo gente. Muito tempo.

Dei risada quando escrevi há uns quatro anos atrás, que mal tinha tempo de ir ao banheiro, pois é! Isso nunca continuou tão atual na minha vida. Rsrs

As crianças estão crescendo absurdamente rápido. O tempo tem passado muito rápido.

Vocês também sentem isso?

Parece que você dorme em janeiro e acorda em dezembro.

E quando olho para as crianças eu tenho esta sensação tão viva, tão pungente, que ás vezes, me perco no meio do tempo.

O Pedro em janeiro, completa 15 anos! A Vi vai fazer 14; a Mari, 9; o Nicolas, 8 e o Fê, 3!

As crianças

A verdade é que corremos atrás de tanta coisa (geralmente trabalho, compromissos) e com esta crise financeira que o país atravessa temos que nos equilibrar pra ter as mínimas condições de sobrevivência.

Falando deste aspecto, para vocês entenderem como anda a minha rotina, tenho o meu negócio de festas (sociedade); abrimos uma barraca de hambúrguer artesanal (que atende em feiras noturna, gourmet e eventos - com a mesma sócia das festas); comecei a fazer marmitas especiais, e estou tentando me virar nos 30, para fazer as coisas acontecerem, por conta da crise e conseguir algum recurso. Aí, você junta tudo isso com 5 filhos que precisam de amor, carinho e atenção; o marido; a escola dos seus filhos; outras cositas mais que também tomam tempo, e aí: BUMMMMMMMMM! O tempo estoura como uma bomba na sua cabeça.

Não estou com este papo, para desmotivar ou assustar ninguém.

Nada disso.

Mas também por conta de tudo que tem acontecido ao nosso entorno, acho, que todos nós, paramos para pensar sobre o que de fato importa.

Mas, também é verdade, que precisamos resolver as coisas do dia a dia. Não adianta eu entupir os meus filhos de amor, se não tiver a comidinha deles no prato. E a vida é assim pra todo mundo.

E para que tenhamos o mínimo, acabamos abrindo mão de coisas que também são importantes pra gente, como uma cervejinha com os amigos, um almoço especial, uma visita à uma tia que agente ama e quer dar um abraço... e o tempo corre.

E como ter tempo pra tudo?

Ontem o Pedro falou pra mim: "Mãe eu quero você! Tô carente" (no auge dos seu 70 kg, com quase 1,70, se espichando em cima de mim, para caber no meu colo).

Nicolas doente. Felipe querendo colo e não entendendo por que eu tinha que ficar com o Nicolas. Tirando o Felipe de perto do Nicolas, por que não sabemos o que ele tem. Maria Clara tendo que finalizar as coisas da escola, para encerrar o ano. Victoria em crise por que o ano está acabando, por que o amigo vai mudar para o exterior, por que não consegue estudar com o barulho. A luz acaba. Todo mundo tomando banho no chuveiro a gás antes de escurecer. Comprar vela, porque acabou. Fazer janta a luz de velas. Jantar a luz de velas. Não conseguir fazer mais nada com as crianças por que não tem luz. Orar com seus filhos por tudo e por todos. Conversar com seus filhos sobre o mundo. Não dormir, para cuidar do seu filho doentinho. Volta a luz de madrugada. E lá começa outro dia...

Sem contar que o espelho não esconde as rugas, os cabelos brancos e o cansaço. 

O tempo gente, o tempo.

Enfim, termino as minhas reflexões.

Tentando ter tempo.

E tentando entender  o tempo.


Obs. 1  Muito catapora por aí. Mesmo em crianças vacinadas. Pode isso produção? Pode sim, pois a eficácia da vacina é de 70 a 90%, mas essa catapora em vacinados é mais branda.
Obs. 2 Preciso de férias urgentemente!!!! rsrsrs

Bjs,

Dani Nunes








terça-feira, 10 de maio de 2016

Uma declaração de Amor



“Mãe”, uma simples palavra que quer dizer delicadeza, carinho, companheirismo, amizade, alegria, grandiosidade e ao mesmo tempo simplicidade; persistência, capacidade, fidelidade, sinceridade, conhecimento, cuidado, luta, braveza, valência, coragem... Que quer dizer chorar, se irritar, se cansar, mas nunca desistir, quer dizer ser única e abençoada... quer dizer AMOR acima de tudo.
Deus é um ser incrível mesmo. Te enviou Daniela Nunes Chirinian para nós, sua família, e podemos dizer que fomos abençoados por uma pessoa indescritível, que em meios a uma tempestade nos protege com seu guarda-chuva, que pode ser pequeno para 7 pessoas? Pode. Mas é em meio as complicações q os milagres acontecem, e você consegue com seu pequenos guarda-chuva nos levar para um lugar seguro.
Por isso te agradecemos imensamente por tudo, e sempre iremos te agradecer...
NÓS TE AMAMOS!!!
Pedro, Vi, Mari, Ni e Fefo
OBS: o Pedro quer uma lavadora e secadora de pratos
Feliz dia das mães a todas as mães do mundo!


Victoria Anuch

segunda-feira, 25 de abril de 2016

As aspirações políticas De Maria Clara


        IMPEACHMENT 1


Hello pessoal!!!
Tudo bem com vcs?
Sumida por bons motivos, tenho trabalhado demais.
Ai, neste feriadão, o corpo não aguentou e pediu arrego: descanso merecido na casa da sogra.
Criançada pescando, correndo com pé no chão, brincando no parquinho, e aproveitando o espaço, tão restrito na cidade grande.
Vida da roça é outra coisa e morro (morro de verdade verdadeira, jurada de dedinho) da vidinha e do ar puro do interiorrrrrr.
E as crias também sentem um tanto, a falta de ar puro e mato.
Só não sinto falta dos insetos! Vamos combinar que ninguém merece aquele monte de bicho cafungando em cima da gente, não é, não?
Agora do céu azul, da temperatura mais amena por conta do mato, do cheiro de mato e do cocô de vaca, a isso sim é o bom da vida.
Pois é! Gosto sim do cheiro de cocô de vaca, cheiro de curral, e descobri que não sou a única com esses fetiches bizarros que remetem as lembranças da infância.
Quando eu era pequena e minha vó paterna, a Petita, morava em Ouro Fino, íamos passar as férias na casa dela.
De madrugada, meu pai acordava a gente, eu, meu irmão e meus primos, (e se meus tios estivessem lá, iam também), pegávamos o copo com Toddy ou café, e lá íamos pra fazenda leiteira, tomar leite direto da teta da vaca.
A vida era simples assim, leite quente da teta da vaca, sem contaminação, sem essa aporrinhação toda de doenças transmitidas e a pqp... Nós éramos crianças felizes e saudáveis.
A e o cheiro da bosta da vaca! Isso que era felicidade!
Cheirinhos e aromas a parte, o que tem chamado a nossa atenção estas semanas foi o quadro político e financeiro de nosso País.
As coisas não estão nada bem e longe de ter um final feliz.
Cusparadas, apologias públicas a torturadores, atendimentos as preces em menos de 24 para um país livre de corruptos (Deus é fiel!), o grande sentimentalismo familiar dos deputados e a grande integralidade religiosa de nossos representantes públicos (que de jeito nenhum me representam!) a Maria Clara, quer a todo custo, ser Presidente do Brasil.
Vocês acreditam que ela assistiu aos votos para a instauração do processo de impeachment?
Ela quer que a Dilma saia da presidência e não quer que o Temer assuma, pois "mãe, ele é igual a ela, né?!"
E no auge dos seus oito anos, em que ela não tem a mínima dimensão sobre do que se trata a reforma agrária, e as patifarias do MST, ela olha ao redor e me diz: "Mamãe, olha ali quanta terra para fazer casa para as pessoas pobres! Como tem tanto espaço e ainda tem tanta gente que não tem onde morar?"
E pensa que as crianças precisam de hospitais. "Vou construir um monte de hospitais!" e claro,  para os animais também, pois os bichinhos abandonados também precisam de uma casa!
Maria Clara, não sabe o que é direita ou esquerda. Ela não sabe o que são partidos políticos.
Mas, ela tem a visão de que as coisas não vão bem no País que ela mora, e que ela entende ser muito grande e ter uma diversidade gigantesca de pessoas.
Na escola ela aprendeu que somos negros, mulatos, mamelucos, índios e brancos e que todos temos os mesmos direitos e deveres perante a sociedade.
A única coisa que ela não entendeu muito bem, é que quando for Presidente, ela não pode contratar a família para trabalhar ao seu lado, pois não sabe o que significa nepotismo, mas já explicamos que mesmo que amemos demais a nossa família, não podemos contrata-los para trabalhar em caso de trabalho no poder público.
"Mas, mamãe, eu preciso de você para ser minha secretária!"
Mas a Maria Clara deve saber desde pequena, que não podemos favorecer ninguém, nem a mamãe, mesmo que a maioria de nossos representantes legais também não tenham entendido isso, ou não quiseram entender mesmo (é só verificar, quanto amor eles tem para dar para a família, não é mesmo?!)
Enfim, ela já entende que o nosso País é uma coisa séria e que não se brinca com a vida de seres humanos, de gente, ou como esses tidos políticos, gostam de tratar: os eleitores.
Que todos devem ser tratados com dignidade e merecem uma boa condição de vida e que nosso País, oferta isso sim, ao seu povo.
Resta a descontaminação!
E que surja uma nova juventude, com o coração da Maria Clara, lutando por justiça, pela igualdade de direitos e exterminando definitivamente da vida de cada brasileiro a corrupção.
Que venham as Marias e os Joãos, que abracem a legitimidade de um País digno, de ser chamado de Nação Brasileira!
#euacreditonofuturodobrasil
#euacreditoquemeusfilhossaoofuturodobrasil

Beijocas,

Dani Nunes


sexta-feira, 4 de março de 2016

Cuidado Com o Poder...

Boa tarde Galerinha!

Tudo bem com vocês?

Aqui terminamos o ciclo da virose comigo:  uma baita ferida na boca, graças a herpes zoster que teima em se manifestar toda a vez que a imunidade baixa.

Ai fica aquela "belezzzuraaaa", bonita, bonita...

Feridas e feiura a parte, o post sobre bullying bombou!

Foi tão grande a repercussão, que fiquei assustada.

Mas o melhor de tudo é que a força de expressão teve resultado: positivo, evidente!

Ser mãe é bom de mais, você mete os pés pelas mãos e as mãos pela boca...(caga, senta em cima) Mas ser mãe e blogueira é bafônico!!!

Primeiramente quero parabenizar, a guria, que me levou ao estado de fúria materna, porque ela percebeu, que, antes de julgarmos ou ofendermos uma pessoa, é melhor dar um crédito; antes de achincalhar com o ser.

Essas palavras abaixo, são para você:

Eu sei, eu sei, de fato, vão existir no mundo pessoas que você deva odiar de verdade: o ex-presidente Lula, o Bin Laden, o grupo terrorista estado islâmico, o SUS... Mas para as pessoas que estão a sua volta, vai por mim: dê uma chance, dê uma nova chance e conheça as pessoas de fato, antes de tirar conclusões.

Outra coisa: Garoto nesta idade, 13/14 anos, é chato por natureza!

Não é só o Pedro, não! Tipo, 88% deles.

É que as meninas são muito mais descoladas e amadurecem muito mais rápido, e acabam não tendo paciência com Steven Universo ou a Crunch da semana... Mas os meninos nesta idade, mesmo sendo chatos, são amigos de verdade!

Então, obrigada por sua generosidade! S2 S2 S2 (fim)

E para todos, eu digo, Blogar é bom de mais!

Você coloca tudo que te pertence e não pertence para fora, vomita generalizado e pronto!

Começa a colher bons frutos (as vezes não, hihihihi, tipo DRS - abafa!) das situações.

Tá nervosa? Vem blogar.

Por que oque vale são as verdades, viver a verdade.

E na maioria das vezes a verdade dói. Mas se você encara, enfrenta e uma hora passa...

E deixa agente mais forte... ( passando mal, querendo esganar o mundo, mas passa)

Bem, hoje feliz com o "Poder" curativo da Mãe Blogueira!!!!

Bjs e bom findes.

Dani Nunes